INÍCIO

quinta-feira, 7 de março de 2013

GUIZADO – CALAVERA (2010)

FOTO: DIVULGAÇÃO NA INTERNET

Guizado é, hoje, um dos músicos mais requisitados da nova safra da música brasileira. O trompetista esteve presente nos trabalhos mais recentes de Karina Buhr, Céu, Nação Zumbi e Maquinado, além de participar no disco da figurona da MPB Elza Soares. Mesmo com um currículo desses, é no trabalho solo que Guilherme Mendonça solta toda a sua veia criativa.
Quem pensava que a fórmula de Punx, primeiro disco do músico lançado em 2008, de misturar rock com música eletrônica e elementos do jazz, não pudesse ser reinventada se enganou. É bem verdade que a combinação continua a mesma, mas o trompete e os eletrônicos presentes em Calavera mostram experimentalismo e apontam para novas possibilidades.
O Jazz – principal influência declarada de Guizado – foi mesclado com elementos da música balcânica e latina resultando em um disco festivo. Essa é a principal diferença entre Calavera e Punx. Enquanto o primeiro disco era mais “pesadão” e “duro”, o sucessor aposta em melodias mais bonitas e suaves.
A abertura com “Amplidão” tem um dos mais belos arranjos de metais do disco, seguida por “A Emanação dos Sonhos” e “Rolê Beleza”. É impressionante como o trompete de Guizado consegue se adaptar a terrenos diferentes, sejam eles batuques africanos, beats eletrônicos, ritmos de rock ou ainda jazz. Tudo parece natural, como se o trompete fosse um instrumento indispensável na constituição de todos esses ritmos.
Outro ponto que merece atenção do disco são as letras. Para o segundo disco, Guizado investiu não só em belos temas instrumentais e eletrônicos, mas também em músicas com voz. As letras têm alto teor onírico – fazendo referência a anjos, orações, estrelas – e estão presentes em seis das onze faixas e para cantá-las, além do próprio trompetista, foram escaladas as parceiras Karina Buhr (“Girando”) e Céu (“Skate Phaser”).
O disco foi gravado nos estúdios da Trama, em São Paulo, e disponibilizado pelo projeto Álbum Virtual de maneira gratuita para download. A produção ficou por conta do próprio Guizado e a banda de apoio é composta pelos também requisitados Regis Damasceno (guitarras), Rian Baptista (baixo) e Curumin (bateria).
Calavera reflete a maturidade musical de Guilherme Mendonça e aponta novos rumos possíveis na produção independente brasileira. Isso tudo por dois motivos. Primeiro, pela capacidade que o trompetista tem de se reinventar e criar novas possibilidades para o seu instrumento. E segundo, porque em meio a tanta banda repetitiva, o trabalho de Guizado celebra culturas e a música brasileira é um sopro de originalidade na nossa música contemporânea.

Siaba mais no FACEBOOK

Destaco a canção "Amplidão"



 BAIXE O CD CLICANDO NA CAPA

Nenhum comentário:

Postar um comentário